O corpo das mulheres como campo de batalha

Em cartaz no Rio de Janeiro, O corpo da mulher como campo de batalha, peça encenada a partir de texto do romeno Matéi Visniec, trata do estupro como estratégia na Guerra da Bósnia, o maior genocídio do século XX depois da Segunda Guerra. Cada palavra dita pela vítima para sua psicanalista, uma especialista em neurose traumática, pode ser ouvida pela plateia carioca com uma força dramática além da densidade do texto original, sobretudo por ter estreado no mesmo dia em que veio à tona a notícia do estupro da jovem de 16 anos, violentada a primeira vez pelos infinitos homens, violentada a segunda vez quando inúmeras vezes é acusada de ter provocado o crime do qual foi vítima.