O sono contra a mercantilização - quatro perguntas a Jonathan Crary

Em seu livro recém-publicado no Brasil, 24/7 - Capitalismo tardio e os fins do sono, o teórico norte-americano Jonathan Crary procura mostrar que o capitalismo vê o sono como um inimigo. "Não é lucrativo para as empresas deixar tempo livre para o descanso humano, a saúde ou o bem-estar. Se as pessoas parecem ser workaholics, não é por escolha própria, mas por causa de uma urgente necessidade econômica", diz nesta entrevista.