Cosme e a memória cinematográfica do mundo

Cosme Alves Netto (1937-96), retratado em Tudo por amor ao cinema, de Aurelio Michiles, foi durante décadas o responsável pela Cinemateca do MAM do Rio de Janeiro. Sua importância no setor só pode ser comparada à do crítico Paulo Emilio Salles Gomes. A trajetória fascinante dessa generosa figura humana é evocada vividamente por meio de um rico material de arquivo e de depoimentos de gente que conviveu com o biografado. Mais que isso: são os próprios filmes que dão vida à história de Cosme.